Na sexta-feira, 5 de junho, a Fenasps protocolou ofícios ao presidente do INSS e ao Ministério da Economia, reafirmando a posição contrária à reabertura das agências do INSS após 19 de junho, conforme prazo estipulado pela Portaria Conjunta nº 17, de 21 de maio. 

Na exposição de motivos, a federação argumenta que a possibilidade de reabertura das agências do INSS traz grande preocupação ao conjunto dos servidores e servidoras do INSS, porque nem Equipamento de Proteção Individual (EPI) conseguirá evitar que servidores(as) trabalhem sob o risco de contaminação, uma vez que as agências concentram milhares de pessoas.

Segundo os próprios dados do INSS, mais de um milhão de segurados(as) frequenta as agências por mês, sendo que a maioria deles(as), além de estar na faixa etária acima de 60 anos, ou afastados(as) por doenças do Trabalho, faz deslocamento por transporte público e veículos superlotados como ônibus, trens metropolitanos, vans e outros meios. As pesquisas feitas até o momento apontam estes como os meios propícios para propagação do vírus.

Além disso, a Fenasps salienta que já apresentou em dados que cidades e regiões inteiras país afora estão entrando em lockdown, numa tentativa de aliviar seus hospitais, que praticamente estão sem vagas para internação, isso porque ainda não atingimos o pico de contágio pela pandemia. A depender das medidas que forem adotadas, o isolamento social poderá ser prolongado durante todo inverno, até final de agosto ou setembro, e qualquer decisão tomada de forma prematura ou imprudente certamente aumentará a tragédia no país.

Até a última sexta-feira, a Covid-19 no Brasil já levou à morte mais de 34 mil pessoas, superando os 615 mil infectados. Nem o governo ou a direção do INSS tem como assegurar que os casos de contaminação serão reduzidos.

Por fim, a Fenasps reforçou, nos ofícios protocolados, o seu papel enquanto entidade representativa dos trabalhadores no INSS e com a responsabilidade de defesa da vida de toda população, ao novamente reiterar a reivindicação e preocupações dos(as) trabalhadores(as) com a eventual abertura a partir de 22 de junho em meio ao aumento de casos da pandemia. É fundamental que todas as autoridades analisem com cuidado os riscos que todos correm se for determinada a reabertura das APS. 

Confira abaixo a íntegra dos ofícios:

  • Ofício FENASPS n° 91/2020, ao presidente do INSS - CLIQUE AQUI
  • Ofício FENASPS n° 92/2020, ao secretário de Trabalho do Ministério da Economia - CLIQUE AQUI

INSS confirma audiência na próxima terça, 9

Conforme já previamente acertado, o INSS confirmou a realização de uma videoconferência com o presidente da autarquia e a Fenasps. A reunião virtual será na próxima terça-feira, 9 de junho, às 15h. 

Fonte: Fenasps

Comments fornecido por CComment