0
0
0
s2smodern

Assembleia Estadual Geral levará proposta de construção do indicativo de greve para a Plenária Nacional da Fenasps

O clima é de desesperança entre os servidores do INSS, da Anvisa e do Ministério da Saúde. A sobrecarga laboral tem assolado todos os locais de trabalho, com metas mais severas e a falta de servidores que possam dar conta da demanda. Em todos os órgãos da base do Sindprevs/SC, a falta de perspectiva é unânime, considerando que a reforma trabalhista também ataca os servidores públicos com o já anunciado teletrabalho e, principalmente, pela desesperança irradiada com a Emenda 95 que congela os gastos públicos por 20 anos.

O cenário anuncia que é preciso luta. Já na assembleia de 22 de março, um Comando de Mobilização Estadual para a Greve foi aprovado, buscando criar condições para o desencadeamento de um movimento paredista. O Comando realizou reuniões com os trabalhadores na intenção de fortalecer o entendimento de que é preciso resistir aos ataques a direitos trabalhistas e sociais.

Nesta segunda-feira (14), uma nova Assembleia Estadual Geral, realizada na Fecesc, promoveu o diálogo entre os trabalhadores que reafirmaram a construção de um indicativo de greve, com uma pauta que inclui a realização de concurso público imediato, o estancamento do desmonte do serviço público, a paridade entre aposentados e ativos e a garantia de política salarial digna para toda a categoria. A proposta será defendida pelos delegados de Santa Catarina na próxima Plenária Nacional Fenasps, que será realizada em Brasília/DF, no próximo dia 20.

Representam o estado na Plenária da Fenasps, os dirigentes nacionais Vera Lúcia Santos, Valmir Braz de Souza, Luciano Veras e Fátima Regina da Silva e os servidores eleitos em Assembleia: Osvaldo Vicente, Cleusa Maria Pereira, Maria Nilza Maria, João Olímpio Ferreira, Ivanete Maria Rech e Irma de Fátima Figueredo.